TromboseA trombose é a oclusão (bloqueio) de um vaso sanguíneo por coágulos. As veias transportam sangue pobre em oxigênio, de todo o corpo novamente para o coração. Todas as veias da metade inferior do corpo conduzem sangue à veia cava inferior, enquanto que as veias da metade superior conduzem sangue à veia cava superior. Estes dois troncos venosos descarregam na aurícula direita do coração. Daqui, o sangue é bombeado para o ventrículo direito e depois para o pulmão, através da artéria pulmonar. No pulmão, o sangue recebe oxigênio, regressando depois ao lado esquerdo coração (aurícula e ventrículo) pelas veias pulmonares, de onde é bombeado através da aorta para abastecer o corpo de oxigênio.

A oclusão de uma veia na perna provoca um acúmulo. O sangue continua a ser bombeado para a perna através da artéria, mas não pode refluir no sentido contrário através da veia.

Teoricamente, a trombose pode ocorrer em qualquer veia, por exemplo, no abdomen (trombose venosa mesentérica), no cérebro (trombose da veia sinusal), no braço, etc. Mas a localização mais comum é na perna ou na região pélvica, onde a pressão sanguínea é mais elevada.

Já a embolia acontece quando o trombo (coágulo) que está obstruindo a veia se solta e desloca através do sistema venoso para a veia cava inferior e, daqui, para o lado direito do coração e para o pulmão. No sistema pulmonar, o lúmen dos vasos sanguíneos torna-se menor, sendo que o trombo pode ficar alojado numa artéria pulmonar, bloqueando a corrente sanguínea e interrompendo a troca de oxigênio na área alimentada pela artéria pulmonar afetada.

Uma embolia pulmonar é, portanto, potencialmente perigosa e deve ser evitada. Quando ocorre uma embolia pulmonar, é feita uma busca da trombose que causou o problema.

Diversos são os fatores que podem causar uma coagulação do sangue nas veias: procedimentos cirúrgicos; repouso prolongado no leito ou inatividade, como no caso de permanência prolongada na posição sentada em viagens por carro ou avião; obesidade; história pregressa de tromboembolismo familiar ou do próprio paciente; acidente vascular cerebral; infarto do miocárdio; fratura do quadril ou da perna; pacientes que têm tendência ao aumento da coagulação do sangue, como ocorre em certos cânceres, com o uso de contraceptivos orais ou na deficiência hereditária de um inibidor da coagulação sangüínea; também na menopausa, devido à terapia de reposição hormonal.

O diagnóstico precoce da embolia arterial e a avaliação por um cirurgião vascular é de suma importância, pois o tempo de evolução do quadro até o início do tratamento é o fator mais importante para o sucesso do mesmo.

O mais importante é a prevenção. O uso de anticoagulantes injetáveis, uso de meias elástica anti-ebolia e o uso de massageador pneumático nas pernas deve ser rotina em cirurgias plásticas.

Para mais informações sobre Cirurgia Plástica BH, visite a página Cirurgia Plástica BH no site do Dr. Etienne

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA